O comboio lento para o paraíso

Ler

Não deixa de ser curioso que são os mais humildes comboios os que nos levam aos sítios mais mágicos. O comboio que liga Ella a Hatton, no Sri Lanka, é um desses casos. Pequeno, velho e barulhento – o comboio perfeito. O meu destino era a região central da ilha, o chamado “Hill Country”, a única zona do país que, pela sua altitude, não é extremamente quente e abafada.

Para chegar ao Hill Country apanhei o comboio em Ella, uma cidadezinha turística sem grandes motivos de interesse, em direção ao coração da província, em Hatton, numa viagem de poucas dezenas de quilómetros mas que demorou sete horas (!). Esta ligação é muito procurada pelos turistas, por isso o comboio vai geralmente a abarrotar. Uma forma de evitar ir em pé durante tantas horas (o que deve arruinar a experiência) é fazer o percurso no sentido contrário à maioria dos visitantes, ou seja, fazer Ella – Kandy (a cidade onde termina o serviço), e não Kandy – Ella.

Fiquei preocupado quando cheguei à bilheteira e me disseram que as reservas estavam esgotadas para todos os comboios do dia e até do seguinte. Solução: viajar na terceira-classe, onde que não há lugares marcados. Foi a melhor coisa que me podia ter acontecido. Em vez de ir encafuado numa carruagem cheia de ocidentais a tirarem selfies, viajei numa carruagem surpreendentemente  respirável, ao lado de famílias cingalesas, que sorriam timidamente quando eu as observava a interagirem.

Senti um certo prazer infantil perdido invadir-me a alma quando pus a cabeça de fora da janela e um ar suave e quente me acariciou a cara. Fui assim, de cabeça de fora da janela, quase toda a viagem. Pelos vistos é um sensação que também apraz os cingaleses, que se empoleiravam não só nas janelas, como nas portas abertas do comboio.

Atravessámos um território de uma beleza difícil de descrever, iluminada por um glorioso final de tarde. Aquela viagem de comboio foi um dos momentos altos da minha viagem ao Sri Lanka, mas o melhor ainda estava para vir. No próximo post publicarei algumas fotografias daquela região mágica.


7 Comments

  1. Gabriel, desculpa, acabei repetindo a pergunta e vc gentilmente já tinha respondido. Grato.

  2. Gabriel, desculpa, quiz dizer “seu kit fotográfico”..O que vc costuma usar. Como sugestão, um artigo para os amadores que gostam de viajar e muitas vezes levam equipamentos que nem sempre são utilizados. Grato

  3. Eu gosto de comboios lentos e “humildes” para saborear a viagem. Nas tuas fotografias há uma alegria nas pessoas que consegues captar muito bem. Tens muita coragem. Cada vez mais gosto de viajar de Comboio pelo teu Blogue. Parabéns pelo artigo.

    Aproveito para desejar um excelente ano de 2019 com boas viagens (e descobertas).

  4. Gabriel, lindas imagens como sempre. Meu blog preferido. Uma curiosidade, qual seu “set” fotográfico nas suas viagens. Abraço e parabéns.

Submit a comment

O seu endereço de email não será publicado.