Lagoa das Patas

Com um mês e meio nos Açores na bagagem é uma tarefa ingrata ter de definir a melhor paisagem. Mas é a isso que me proponho. Das oito ilhas que tive a satisfação de conhecer (só o Corvo falhou) cada uma exibiu as suas maravilhas, mas é a ilha das Flores a eleita como “a preferida”.

Menos habitada e explorada que as ilhas dos grupos central e oriental, as Flores têm lagos, florestas, aldeias preservadas e… quedas de água. A jóia da coroa é indiscutivelmente o Poço da Alagoinha, ou Lagoa das Patas, com as suas dezenas de pequenas quedas de água, num cenário praticamente virgem. Em pleno inverno e ao cair da tarde, a meia-hora em que estive de boca aberta soube a pouco. Não havia um único turista. Nem um único som sem ser o da água. Um dos paraísos de Portugal. Sem dúvida.