Papu

O nome é impronunciável: Papubhaipoljiwala. Diz-me para o tratar por Papu, irmão Papu. Vive no forte de Jaisalmer, Rajistão. Fez a sua vida pelos havelis, típicas mansões indianas de famílias abastadas, de características semelhantes aos riads marroquinos.

Foi perto de um havelis que o Papu decidiu meter conversa. Não como muitos outros que apenas procurariam fazer uns trocados com um qualquer negócio. O Papu queria ler a sina, mas sem cobrar uma rupia. Parecia ter uma curiosidade genuína pelos v isitantes.

Nitidamente com poucas posses, surpreendeu-me com uma cultura geral invulgar (foi dos poucos que ao perceber que eu era de Portugal não exclamou: “yes, yes, Ronaldo!”). Fiquei de enviar esta fotografia para o indecifrável email que me apontou no caderno. Não sei se algum dia chegou a receber. Da minha parte fiquei com um dos meus retratos favoritos e um grande sorriso.