Papu

O nome era impronunciável: Papubhaipoljiwala. Diz-me para o tratar por Papu, irmão Papu. Vive no forte de Jaisalmer, no Rajistão. Foi junto a um haveli (mansões de famílias abastadas) que Papu meteu conversa comigo. Pareceu-me ter uma curiosidade genuína pelos estrangeiros. Sentei-me a seu lado e falámos sem pressas. Pedi para lhe tirar uma fotografia. Ele anuiu com a condição de que lha enviasse por email. O endereço que escreveu no meu caderno era indecifrável. Não sei se algum dia Papu chegou a receber a fotografia, espero que sim, até porque lhe escrevi que era um dos meus retratos favoritos de sempre.